14 de fev de 2012

EM QUE BLOCO VOCÊ VAI?

     O carnaval chegou e com ele a expectativa de liberdade, pegação, muito beijo na boca e quem sabe até um novo amor. Claro que quando se fala em carnaval, a primeira coisa que se pensa é alegria e amores passageiros. Para alguns, datas como esta é oportunidade para extravasar e mudar de comportamento. É muito difícil encontrar uma pessoa solteira que ache o carnaval uma boa época para iniciar um namoro sério. Sabemos até que o contrário acontece como aqueles que dão um tempo no namoro durante o carnaval para que cada um possa curtir a sua festa.
     O carnaval é mais conhecido como uma saída temporária dos problemas. O momento de “desopilar”. Uma festa onde é mostrada a irreverência. Onde é buscada a oportunidades de realizar sonhos e desejos. A questão é como fazer isso de maneira saudável, para que não sejam só quatro dias por uma vida toda.
     Claro que o carnaval solta as emoções. E quando o carnaval ajuda a expressar os sentimentos, principalmente ao lado de quem se gosta isso pode aumentar e muito a intimidade de um casal - vale até chorar de alegria. 
     Agora, acredito que essas pessoas que conseguem extravasar as emoções nesta festa não são movidas só pela ocasião, mas por um desejo de colocar para fora o que realmente está dentro de si com a desculpa da permissão da folia. 
     Esperar por um carnaval para colocar seu bloco de emoções na rua é o mesmo que esperar por um feriado ou férias para conseguir descansar e relaxar. 
     Assim como tem quem goste da festa e dos bailes, tem muitas pessoas que sentem dificuldade em se permitir ficar à toa durante este feriadão.  
     Será que carnaval é tempo só de esbanjar alegria? Nem sempre. Não há nada de errado em optar por se se recolher no carnaval 
     Com todo esse palco que a festa induz, fico imaginando o que acontece com quem não têm nenhuma viagem marcada e nem fantasias ou reuniões festivas para comparecer. Será que sente o famoso “lazer forçado”?  É como se a felicidade virasse quase uma competição: quem estará mais animado para as festas, quem irá se divertir mais no feriado ou para onde este ou aquele viajará? 
     Se uma pessoa não gosta de festa e bagunça, pode ficar bem sozinha com suas escolhas, tendo prazer “com seus livros, seus discos e nada mais…”. Não tem por que se sentir infeliz. Pra isso é importante o se conhecer e ter maturidade para enfrentar a correnteza do “não ter a obrigação de não fazer o que os outros fazem” ou de “não ter a vergonha de dizer que ficou em casa no carnaval”. Até porque as diferentes fases da vida ou do momento em que está vivendo podem apresentar novos hábitos e perspectivas.
     Claro que o olhar do outro tem importância. E que conviver com afeto é fundamental, mas muita gente acaba sentindo a necessidade de calma e foco em meio à confusão do Carnaval.  
     Aproveite para fazer coisas que lhe dêem prazer, que nem sempre corresponde a sair pulando pelo salão, às vezes esta decisão é melhor do que estar rodeado de gente e no fundo se sentindo mais só do que nunca.                                                                                                               
     Para aqueles que querem “sair do prumo” neste carnaval, lembrem-se que se divertir não é sinônimo de “irresponsabilidade e exageros”. 
     E quando o feriado acabar sinta vontade de voltar à sua rotina e sem culpas! 
     Pense nisso e coloque seu bloco de molho! Você pode!