2 de ago de 2013

MULHERES JÁ PARA O “HAPPY HOUR”




Estudos mostram que uma das melhores coisas que um homem pode fazer por sua saúde é se casar: o casamento aumenta a longevidade e o bem-estar pessoal do homem.

Já para a saúde da mulher ao invés do casamento a mulher precisa é ter e manter suas amigas! As mulheres se ajudam dividindo seus sentimentos quando enfrentam experiências estressantes e difíceis em suas vidas 
Aquele café com as amigas ajuda a produzir mais serotonina, auxiliando no combate à depressão e criando um sentimento geral de bem-estar.

Homens geralmente se relacionam com seus amigos em torno de tarefas e raramente se sentam para falar sobre como se sentem ou como está sua vida pessoal.

A conversa com as amigas é tão importante para a saúde das mulheres como correr ou fazer ginástica.

Há uma tendência errada em pensar que quando nos envolvemos com alguma atividade física estamos fazendo algo de bom para o nosso corpo, enquanto que quando conversamos com as nossas amigas, "desperdiçamos" o tempo em vez de fazer algo mais produtivo.


Então, meninos cultivem e demonstrem mais suas emoções com seus “amigos do peito”!

1 de ago de 2013

MEDO OU ENTREGA?

Hoje em dia as pessoas estão com tanta sede de se apaixonar, mas ao mesmo tempo morrem de medo da entrega. Este era um pensamento predominantemente masculino há algum tempo atrás. Claro que se perguntarmos aos homens, eles negam esse sentimento, do mesmo jeito que negam a infidelidade. Porém mulheres que passaram por alguns conflitos amorosos acabaram contaminadas pelo “medo de se apaixonar”, “receio de perder o controle” ou até se poderia dizer “não entregar mais o ouro aos bandidos”.
Agora, também se pode pensar que dentro de todo este contexto, caso em algum momento acontecer a “entrega”, esta é uma questão puramente de sensibilidade, de química e de confiança mutua entre esse casal.

O fato central que temos que entender é o quanto realmente de investimento profundo depositamos na relação de entrega? É neste momento que entra um trabalho constante contra o temor de continuar compartilhando a intimidade, com o pânico profundo de se apaixonar. O que libertaria o homem deste medo, da timidez afetiva, é a ajuda da parceria.

O sentimento verdadeiro irá se definir na beleza da constante conquista. Não a beleza externa, mas a beleza que sentirá quando permite que tanto você quanto seu amor - sua amante – possa crescer com individualidade, ao seu lado. O amor é alimentado, dando espaço, sem o temor de perder a liberdade. Por isso, você deve definir porque “a entrega”, e para que deixar crescer um sentimento mais nobre e belo em sua vida. Lembre-se que para que isso aconteça você tem que admirar seu parceiro, dividir os momentos bons e ruins ao lado dele, saber ouvir, mas também falar de você. Aprender a confiar o suficiente para dar espaço físico e mental para o seu parceiro, e você terá um relacionamento confiante e feliz. A felicidade, dizem ser indescritível, mas você quando está satisfeito o seu sentido de admiração e entusiasmo aumentam e você permite ser feliz enquanto totalmente entregue até nos lugares mais difíceis da sua vida, como numa floresta, por exemplo.

Tente!

30 de jul de 2013

POR QUE O ROMANCE ACABA?

Existem muitos motivos pelos quais o romance pode ir por água abaixo. Novas mamães, por exemplo, podem se sentir tão exaustas das alegrias da maternidade que simplesmente não se sentem prontas para continuar tendo relações sexuais com seu parceiro. Elas se preocupam que o bebê pode chorar e de certa forma fazer amor se torna uma distração. As mamães que ainda não perderam a “gordura da gravidez” podem se sentir deprimidas e menos atraentes. A forma como elas vêem seus corpos após o parto pode colocar empecilhos no sexo e no romance.



Pessoas que se preocupam demais com trabalho podem ficar obcecados de tal forma que podem ser tornar “workaholics”. Sexo é sexo para eles, porém o romance é algo para o qual eles simplesmente não possuem mais tempo. Casais com crise de meia-idade também podem se sentir pouco atraentes. Podem começar a acha que não são mais sexy ou desejados e então o romance é algo que vêem como não mais pertencente a eles. Casais mais velhos podem experimentar uma diminuição no apetite sexual e sentir que são muito velhos para romance.

Todas essas desculpas são imagens mentais da mente. Não são razões válidas para impedi-la de ter um relacionamento romântico. Quando as pessoas têm bloqueios internos que as impedem de aproveitar o romance e sexo saudável, seus parceiros podem interpretar suas ações (ou não-ações) como falta de interesse neles. Isso pode levar à falta de confiança. Comunicação clara entre duas pessoas pode evitar a sensação de ser mal interpretado.



O romance saudável pode ser um ótimo tônico para o corpo, mente e espírito. Por exemplo, novas mães precisam de carinho e atenção da mesma forma que seus pequenos. Intimidade e romance podem ocorrer com ou sem o ato sexual. Apenas ficar debaixo de um cobertor em um sofá com o seu companheiro pode fazê-la sentir relaxada, feliz e amada. Idade ou imagem do próprio corpo não devem interferir com o sexo e romance. Enquanto você estiver saudável e sã você deve aproveitar cada momento junto ao seu parceiro.

Se você está lutando contra a balança, pensa em si mesma da forma como gostaria e mantenha essa imagem em sua mente e então ponha em prática um plano até que você se torne essa imagem. Coma comidas saudáveis e faça exercícios. Vá ao médico e descubra se você tem algum problema de saúde. Imagine a si mesma da forma como gostaria de ser e trabalhe para atingir esse objetivo. Saiba em seu coração e mente que você está se esforçando em direção a esse objetivo, mas você também tem de aceitar a si mesma como é.

Se a idade é a sua barreira para o prazer, lembre-se que essa é uma parte natural na nossa existência. Todos os seres vivos atravessam ciclos e mudanças. Pode ajudá-la a pensar na idade como parte da evolução. Pense em si mesma evoluindo para uma existência superior. Seja espontânea. O sexo não tem que ser um ritual, e nem o romance. 

Surpreenda o seu parceiro com uma das dicas do site e um pouco de espontaneidade, e carpe diem!

29 de jul de 2013

RELAÇÕES DURARDOURAS

Os relacionamentos, hoje, estão cada vez mais descartáveis. Não há interesse em reparar ou tempo para concertar. As relações se assemelham aos eletroeletrônicos: não funcionou, troca o modelo. Falta paciência para se adaptar e desmotivação para revalidar alguns valores resultando em separações. Reciclar é a palavra-chave para os afetos. Expectativas elevadas, desejo da “telepatia”, querer que ele funcione como “eu” levo a pequenas frustrações diárias, e estas vai minando a admiração pelo companheiro. Também detona a relação esperar do outro, comportamentos de sedução e carinho que, quando não atingidos, geram cobranças. Caminhos que levam ao distanciamento na comunicação e intimidade do casal. Como tornar possível esta reciclagem?

Renovar os valores vencidos, rir, encontrar humor, ter projetos juntos, não querer sempre ter razão, ouvir o outro e discutir a relação (com limites) diminuirá as constantes reclamações ou cobranças.

O duradouro num vinculo amoroso depende de algumas características em comum como: respeito, lealdade e sentimento pelo parceiro.

E de traços de personalidade de cada um que “sintonizam” com os do parceiro, somado a capacidade de adaptação e constante reformulação de seus valores frente as mudanças culturais. 


Relacionamentos baseado em mudanças mais a capacidade de amar facilitam a continuidade de um amor duradouro, com harmonia e até a retomada da paixão.

VOCÊ É MADURO EMOCIONALMENTE?

No amor, a maturidade emocional é a capacidade de se aceitar e aprender a aceitar os outros. Isto é avaliado pelo nível de satisfação alcançado por um indivíduo em sua vida e sua independência pessoal. Esta satisfação pessoal depende de vários fatores, tais como felicidade, autoconfiança, relacionamentos satisfatórios, o nível de bem-estar em termos de saúde física e emocional, a saúde de sua família, seu status social, conforto material, o grau de liderança e responsabilidade assumida na sua comunidade e no mundo como um todo.



Todos nós precisamos dos outros para viver e conviver. Mas primeiro é preciso ser capaz de viver para si mesmo, com isso conseguirá construir relacionamentos saudáveis.