28 de mar de 2012

ENFRENTE SEUS MEDOS – DESAFIE-SE


          Quantas vezes você observou o comportamento de alguém que estava fazendo algo ousado (que não seus amores) e de imediato lhe veio à mente um sentimento positivo, um elogio ou um “como eu queria ser como ele”? Temos a péssima mania de primeiro ver os defeitos, fazer as críticas e ou desvalorizar. Depois, quando sobra algo começamos a resgatar os famosos: “sim, mas eu também..”! Acontece que enquanto focamos no outro não nos olhamos. Mas, e os exemplos positivos, como são vistos? E tudo que podemos aprender observando o comportamento dos outros?
               É aqui que inicia nossa história de hoje. O quanto os desafios alheios nos paralisam ou podem nos impulsionar!!!
               Ousadia, coragem, desafio. Qual a última vez que você experimentou isso?                                                                                                                                                                               
               Venho trabalhando, atendendo e falando muito sobre estes temas, mas algumas vezes que me deparo com exemplos de “ousadia e desafio” paro e avalio os meus segredos e medos. Sabemos que sempre tem uma gota que transborda o copo e que nos impulsiona (ou não, se acomodados formos) a mudar. Pois foi o que fiz. Queria escrever sobre este tema, mas para isso precisaria “pega-lo a cabresto” (como se diz na campanha). Vou dividir com vocês uma experiência que percebo ser um sentimento comum às pessoas.
               Tenho medo de lugares altos e quando estou lá em cima de olhar para baixo! Então, tinha que enfrentar isso. Fui ao Eco Parque em Nova Roma do Sul ver se consegui fazer a famosa TIROLESA. Esta tirolesa é uma atividade esportiva de aventura que consiste em um cabo aéreo ancorado entre dois pontos com 600mt de extensão a uma altura de 80mt. Foi voar sobre cascatas e avistar o Vale do Rio das Antas a mais de 50 km/h.
               Ousei! Cheguei perto, coloquei o equipamento, olhei ao redor e recebi as instruções. E, quando o instrutor soltou a roldana e começou a deslizar fui assombrada por uma confusão de emoções. Pasmem! Não me deparei com o medo nos 600 metros de extensão. Nem se quer um friozinho da barriga.     Decepção? Não deu tempo naquele momento frente à magnitude da beleza daquela paisagem.  Surpreendentemente, quando estava lá em cima, a sensação era de superação, de dona daquele vale deslumbrante,  de um profundo sentimento de liberdade. Liberdade das amarras da covardia vivida até então.
                Iniciou-se na descida uma a montanha russa dos sentimentos. O que havia acontecido com meu medo? Uma estranheza tomou conta por segundos. Mas, logo, percebi algo mais profundo por trás dos meus questionamentos.
                O ser humano esconde seus conflitos atrás de um medo real – assim como este da altura. A fonte do desconforto em resistir durante anos ao impulso de enfrentar “nossos temores” é porque esses (os medos) nós conhecemos e sabemos como conviver com eles, mas as emoções oriundas de enfrentá-los quiçá podem atemorizar mais ainda. E naquele instante veio á tona todo tempo perdido depositado no medo de altura.
              Aí vem o final desta história, o melhor disso tudo é a sensação de força e de confiança quando temos a coragem de desafiar a nós mesmos e não mais os outros. Quando paramos de ficar criticando o mundo externo e passamos a olhar para as nossas inseguranças e ficamos a cavaleira delas.Dominar o que domina trás paz e relaxamento e, por isso a percepção de nos não sentir medo durante o enfrentamento.                                                             
               As pessoas vão confiar em você se você confiar em si mesmo. E para confiar em si mesmo você tem que sair de trás das suas cortinas internas. 
               Pode ser difícil no início, mas só podemos nos arrepender das coisas que deixamos de fazer na vida porque elas passam e aquelas que encaramos dando certo ou errado vão no mínimo nos mostrar a coragem e ousadia que tivemos ao enfrentá-las.
              Supere-se, amadureça, não perca tempo.